quinta-feira, 29 de julho de 2010

MARIA GADÚ GRAVA DVD EM SÃO PAULO E VAI ALÉM DE ‘SHIMBALAIÊ'



Com uma hora de atraso, a paulista criada no Rio de Janeiro, gravou seu primeiro DVD em São Paulo, na noite de 30 de julho (quinta) no Credicard Hall. Além do hit “Shimbalaiê”, Maria Gadú elaborou um repertório variado que passava por músicas de seu albúm, Amy Whinehouse, Pink, Renato Russo e, acreditem se quiserem, Adoniran Barbosa – com a música “Trem das Onze”.

A noite, para ela, era de festa. Em pouco tempo seu primeiro albúm recebeu Disco de Platina e agora já estava gravando seu DVD em parceria com a Multishow. Logo no início, com a música “Dona Cila”, feita em homenagem a sua avó, Maria segurou firme as lágrimas enquanto o clip da música passava em um telão. Depois, emocionou-se ao chamar seus amigos, entre eles, Dani Black e Leandro Leo, para se juntarem ao espetáculo. Um sofá foi colocado no palco para que os convidados se sentassem e assistissem a um trecho do show de lá mesmo, porque segundo ela “É assim... A gente se ouve.”

Depois de muito se conter, Maria Gadú canta “Ne Me Quitte Pà”. E quando todos pensavam que o show estava encerrado, Snady Leah invade o palco de surpresa e canta “Turu Turu”. A paulista não acreditava; da mesma forma como não acreditava que estava diante de tantas pessoas cantando suas músicas.

A palavra que resumiria o Maria Gadu, além de qualquer adjetivo referente ao seu talento de cantar, é a versatilidade. Está mais do que provado.



ENTRE AS MÚSICAS

Gravação de DVD requer um pouco mais de tempo, principalmente porque durante o show pode haver troca de cenário, entrada de músicos, instrumentos... Entre as músicas Maria Gadú simplesmente não sabia o que falar. Disse “Então gente... em gravação de DVD leva mais tempo, mas eu não sabia!” Na falta de palavras, ela agradecia, acenava, dava risada e até salvava pessoas. Certa hora um menina desmaiou na pista, então, ela muito preocupada, anunciou o desmaio e ainda pediu para o homem da platéia “Tio, puxa ela pra fora!” Assim que socorrida ela continuo “Tadinha...” E terminou “É, desmaiou!” Só continuou o show depois que avisaram que estava tudo bem.

Mais tarde, enquanto cantava “Who Knew”, Maria Gadú erra a letra “Geeente, que papelão! A pessoa canta essa música há anos e resolve erra hoje!” No meio da falha ela pede “Acende a luz daqui da frente por favor” Ela olha “Gente, tem uma menina passando mal aqui ó! Simone, chama alguém pra tirar ela daqui. Ah, tadinha.” E depois, fora do microfone ela começou a perguntar para as amigas da garota desmaiada “Foi do nada? Mas ela comeu?”

Se o público não gostou das músicas, pelo menos deve ter gostado da simplicidade com que Maria Gadú demonstrou no palco.

quarta-feira, 28 de julho de 2010

VOLTA A NEVAR EM SÃO PAULO

Nesta noite, 28 de julho (quarta), a casa de show Citibank Hall foi alvo de uma tempestade de risos, bolas gigantes, ventanias de penas e muita neve. A companhia russa de palhaços apresentaram o espetáculo Slava’s Snowshow, que já veio ao Brasil em 2007.



A duração é de 80 minutos, sendo que 20 são para intervalo. No entanto, quem pensa que durante o intervalo o show terminou, está enganado. Os palhaços vão até a platéia, tiram fotos, fazem brincadeiras e até jogam água! Eles não se preocupam em extrapolar.




O final é marcante. Uma grande tempestade acontece e todos nós estamos no meio da ventania e do gelo. Depois disso são só aplausos e bolas. Abaixo segue o vídeo do que acontece quando o espetáculo termina.

video

Considerado o “Cirque Du Solei” do teatro clown, o espetáculo no ano de sua estréia, em 1993, já levou o prêmio Time Out Award. Mas não é apenas isso que o Slava’s se aproxima do “Cirque de Soleil”. O fundador Slava Polunin é o responsável por apresentações de palhaços dos espetáculos Allegria, La Noube, entre outros.

Há previsão de neve até agosto. O Slava’s Snowshow encerra sua apresentação em São
Paulo no dia 29 (quinta), depois segue para o Rio de Janeiro, entre os dias 1º e 8 de agosto no Theatro Municipal e, por fim, Porto Alegre no Teatro SESI, entre os dias 9 e 13.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Comemoração une sertanejo e música clássica em SP

Há quem não goste de música sertaneja, mas basta que uma toque no rádio que logo a gente sai cantando ela, como se fossemos fãs. A mesma se diz da música clássica. A maioria diz não gostar, mas sabe reproduzir a melodia da Sinfonia nº5 de L.VBeethoven (aquela da propaganda do falecido Enéias) Agora imagine juntar as duas músicas em um concerto de 40 anos de uma das duplas sertanejas mais conhecidas do Brasil.




O maestro João Carlos Martins, junto com a Filarmônica Bachiana SESI SP, participou do show em comemoração aos 40 anos de carreira da dupla sertaneja Chitãozinho e Xororó, nesta noite de quinta-feira (23) no Via Funchal. O show foi aberto com movimentos de W.A.Mozzart, L.VBeethoven e P.Mascagni e em seguida deu a brecha para que a dupla entrasse cantando Ave Maria com arranjo de Sebastian Bach. Todo o concerto foi uma mistura entre música clássica e sertanejo. Os pontos altos foram com as famosas músicas: Evidências, Rancho Fundo e Fio de Cabelo; além de uma homenagem prestada pelo maestro á dupla, em que com apenas os seus três dedos, executou as 21 notas por segundo. A comemoração dos 40 anos de carreira de Chitãozinho e Xororó continua dia 27 de julho (terça próxima). A dupla irá dividir o palco do Vila Funchal com cantores do sertanejo universitário como: Luan Santana, Maria Cecília e Rodolfo e muitas outros. Ainda resta ingressos.

O MAESTRO
O maestro João Carlos Martins ficou nacionalmente conhecido após participar do ultimo episódio da novela da Globo “Viver a Vida”. Segue abaixo o link do vídeo:

http://www.youtube.com/watch?v=-LMWszqtfY0


O Brasil se comoveu com o exemplo de superação e se rendeu á música clássica. Recentemente o maestro participou do programa "Altas Horas ano 10", em que a Filarmônica Bachiana SESI SP, fundada por ele, tocou para diversos artistas como Dudu Nobre, Maria Gadú, Sandy Leah e Milton Nascimento. Mas, ainda em 2007, numa participação no programa do Jô Soares, o maestro fez o apresentador cair em lágrima ao tocar “Carinhoso”. O maestro João Carlos Martins desenvolve diversos trabalhos sociais em São Paulo onde ensina música clássica a crianças de comunidades carentes e será o tema de 2011 da escola de samba paulistana Vai-Vai, que já anunciou o título do enredo “A Música Venceu”.